21 fevereiro 2017

Fomos ao Porto!

 Quando o ano de 2017 começou uma das minhas resoluções foi passar mais tempo com as minhas amigas, não arranjar desculpas (o cansaço, os horários, as tarefas da casa) e esforçar-me para as ver mais vezes. É verdade que a vida de adulta faz com que seja complicado estarmos juntas tanto como estávamos antigamente, mas é terrível quando me apercebo que há meses em que nem sequer as vejo. Por isso este ano prometi que iria ser diferente e este fim-de-semana já dei um passo nessa direcção, pois fui com um dos grupos até ao Porto.


 Partimos na sexta-feira ao final do dia, depois de cada uma estar despachada do seu trabalho, e voltámos domingo depois do sol se pôr. Foram dois dias como há muito tempo já não tinha. Com saídas à noite até às tantas e muita parvoíce. Voltei de rastos, mas feliz.
 No primeiro dia jantámos fora, no The Corner, no sábado fomos à Leitaria Quinta do Paço, onde provei o brunch, e jantámos em casa. No domingo conseguimos arranjar mesa no Diplomata, que tem um brunch que eu queria muito experimentar, mas que não me deixou impressionada.



 Relativamente a passeios, como éramos oito a arranjarmo-nos de “manhã” (acordámos sempre só depois do meio-dia), não sobrou muito tempo. No primeiro dia vimos a estação de S. Bento, passámos pela Sé, fomos até à Ribeira, subimos até à Ponte D. Luís e terminámos na livraria Lello. No domingo começámos pelos Clérigos, passeámos pela Rua das Flores e depois fomos buscar as malas/carro para irmos ver o pôr-do-sol aos jardins do Palácio de Cristal.

15 fevereiro 2017

You make me happy

 Ontem foi o dia dedicado ao amor, mas a verdade é que deveriam ser todos. E em nossa casa tentamos que o seja. É verdade que quando há mais tarefas e cansaço, acabamos por seguir as nossas rotinas, mas também nelas há amor, pois as pequenas coisas que fazemos juntos fazem parte de nós. 
 Como acho que todos os motivos para celebrar o amor são bons, acredito que no dia de São Valentim devemos fazer isso mesmo. E depois de ter tido um delicioso jantar de fondue contigo fui dormir feliz, não só por esse momento, mas por todos aqueles que vão construindo a nossa relação. Fazes-me feliz, todos os dias, muito feliz. E por isso te agradeço e te amo.

14 fevereiro 2017

Valentine's Day

 A primeira vez que celebrámos o Dia dos Namorados o Luís levou-me a jantar ao antigo Valentino, um dos nossos restaurantes preferidos, que nesse dia estava repleto de balões em forma de coração e onde de vez em quando.  No ano seguinte comemorámos a data em Sintra, a nossa vila tão querida, de que gostamos tanto. Passámos uma noite no Chalet Saudade e no dia a seguir passeámos pela zona. No terceiro ano ficámos por Lisboa e fomos jantar à Champanheria do Largo da Avenida, onde tivemos uma refeição diferente e muito agradável.
 O ano passado tive a sorte de o Luís me levar aos Açores, a viagem a São Miguel tinha sido o meu presente de anos (sou uma sortuda, eu sei), mas ele marcou-a para o fim-de-semana de 14 de Fevereiro propositadamente. Foram dois dias espectaculares
 Este ano vamos fazer algo diferente. O nosso presente foi comprado no sábado: uma máquina de fondue. Vamos jantar em casa, para fugir à confusão e para aproveitarmos a nossa casinha. Pode parecer um programa menos especial, mas não é, pois também sabe bem estarmos naquele que é o nosso refúgio, que tem vindo a ficar cada mais nosso. Por isso hoje, quando sair do escritório, vou desligar completamente de tudo o resto e preocupar-me apenas em namorar, agradecendo a sorte que tenho em ter alguém assim a meu lado.


08 fevereiro 2017

Jantar de amigas no Martínez

 Já há três anos que o nosso jantar de Natal se realiza bem mais de um mês depois do dito cujo. São seis agendas para coordenar, empregos com horários completamente díspares e vidas amorosas que levam muitas de nós a ir passar fins-de-semana fora, já para não falar do facto de que em Dezembro duas de nós fazem anos. Por todas estas razões o nosso jantar de amiga secreta costuma realizar-se na última semana de Janeiro, mas este ano nem isso foi possível, tendo sido concretizado no passado domingo, a 5 de Fevereiro.
 O local escolhido para o tão esperado jantar foi o Martínez by Lx Grill. Ao passar por este restaurante da Avenida de Paris não se percebe o tamanho real que tem, pois para aceder à sala principal é preciso descer umas escadas. Tem uma decoração acolhedora, ideal para um jantar com amigas, precisamente o nosso caso. 


 Decidimos provar vários petiscos e o serviço foi muito eficiente, pois foram trazendo um a um, de forma a termos sempre comida quentinha na mesa.
 Comemos ovos mexidos com farinheira (que na minha opinião podiam estar mais cozinhados), queijo de cabra com cebola caramelizada e mel (estava óptimo!), pica-pau (era bom), cogumelos recheados com mozzarella e bacon (que pecaram apenas pela falta de sal) e camarões (que infelizmente tinham molho picante). Acompanhámos com pão, lascas de batata (deliciosas) e batatas fritas caseiras (faltava, novamente, sal). Para terminar provei o cheesecake, que era feito de gelado. No geral tivemos uma refeição muito agradável que nem foi muito cara, tendo ficado 16€ por pessoa.


 Como não estávamos as seis juntas há muito tempo (meses!) e a animação era mais que muita, decidimos prolongar o programa e ainda fomos uma horinha para o Panda Bingo. Infelizmente nenhuma de nós teve sorte, mas divertimo-nos imenso! Soube mesmo muito bem despedir-me do fim-de-semana em boa companhia e entre gargalhadas.

01 fevereiro 2017

Algumas pessoas perseguem a felicidade, outras criam-na

 Despedindo-me de Janeiro apercebo-me de que consegui cumprir a maioria das minhas resoluções para 2017: li mais, combinei programas com as amigas, arranjei tempo para estar com a família, matei saudades de pessoas que não via há muito tempo, dei jantares em nossa casa, organizei uma escapadela romântica, passeei muito com os meus cães, fui aos aniversários todos e num instante passaram-se 31 dias. O primeiro mês do ano começou (como sempre) com os anos da minha mãe e terminou com uma grande notícia, que vai mudar a minha vida em termos profissionais.

 Agora, em Fevereiro, espero seguir alguns conselhos que a agenda do Mr. Wonderful me dá e continuar a fazer de tudo para criar dias felizes.



31 janeiro 2017

Os cachorros do Frankie

 Os cachorros do Frankie são os melhores que já experimentei! Ali fazem-se combinações explosivas de sabores, criando hot dogs únicos e fantásticos, como o Tuga (que até tem um ovo estrelado!) e o Frankie 4 Fingers (com aros de cebola), os nossos preferidos. O pão utilizado não é daqueles de supermercado, sendo muito maior e mais fofo, torrado para dar um toque final. Acreditem que vão ficar sem fome com o cachorro "simples" - porque de simples não têm nada - por isso o melhor é pedirem apenas uma dose de batatas fritas (as melhores são as de queijo e bacon), para depois ainda haver espaço para a sobremesa, que só têm duas por dia e vão variando.


  Deixando a comida de lado e falando dos restantes pormenores posso dizer que todos os empregados são muito simpáticos e atenciosos, o espaço está muito giro e a esplanada é bastante agradável. Infelizmente da primeira vez que fui ao Frankie do Campo Grande tivemos de esperar 40 minutos pelos cachorros, algo que não se voltou a repetir, mas provavelmente acontecido por na altura estarem abertos há pouco tempo. 


 Assim que soube que o Frankie tinha aberto um novo espaço e ainda por cima perto de minha casa, fiquei logo com vontade de ir lá e claro que adorei! Além de ser muito maior, também é mais giro. Com uma decoração única e original, que inclui plantas nas paredes e mangueiras de gasolina usadas como candeeiros, há várias mesas (diferentes umas das outras) onde nos podemos sentar depois de pagarmos e esperar que nos levem os deliciosos cachorros. 


 Quanto aos famosos hot dogs, há mais variedade do que no Campo Grande e são feitos com um pão diferente, mais fofo. Relativamente aos acompanhamentos também há novidades: umas novas batatas fritas (com chili) e aros de cebola, ambos muito bons. Provei um dos novos cachorros, o Italian e adorei! A combinação de lascas de queijo parmesão e tomates secos fazem com que não seja um hot dog tão pesado. Acompanhei-o com salada, que também é boa. Quando lá fui da segunda vez provei o New York, com mac and cheese, mas não adorei porque achei que era de mais, até porque estava a acompanhar com batatas fritas com queijo e bacon (deliciosas!). Entretanto já voltei lá (no espaço de um mês fui três vezes, só para verem tão bom que é) e voltei a pedir o Italian.
 Quanto ao serviço, é como o do outro espaço, muito eficiente e os empregados são todos super simpáticos. 




30 janeiro 2017

O brunch da Leitaria Lisboa

 Conheci a Leitaria Lisboa do Cais do Sodré (o segundo espaço da marca) num sábado de manhã. Fui lá experimentar o brunch porque tinha saído um vale na Time Out e decidi aproveitar, até porque iria sair muito barato (9€ os dois). 
 O espaço está engraçado e tem imensa luz, com decoração clean e alusiva ao leite; os empregados são muito simpáticos e o serviço é rápido. 



 Quanto ao brunch, gostei muito, mas faltavam alguns elementos que considero serem essenciais para comporem um bom brunch como uns ovos mexidos ou umas panquecas, por exemplo. Algo que distinguisse de um simples pequeno-almoço bem servido.  O pão era muito bom (o cesto continha três tipos diferentes) e os croissants também eram muito saborosos. Não achei o iogurte nada de especial até porque só se pode escolher um ingrediente e uma compota. Ainda por cima na maioria dos sítios que servem iogurtes deste género pode-se escolher mais coisas. A tábua tinha três fatias de fiambre, três fatias de queijo flamengo, um queijo de cabra com mel (que achei que tinha um sabor demasiado intenso) e uma boa dose de salmão fumado (que infelizmente estava a tocar no queijo e passou o sabor). 
  Relativamente às bebidas só se pode escolher uma: ou fria ou quente. Eu optei por um sumo natural, que estava óptimo, e ele por capuccino que foi servido quase frio (uma grande falha).
 No geral gostei, mas a verdade é que já fui a brunches melhores. 


Aberto de 2f a domingo, das 7h30 às 20h
Travessa Carvalho 27, Cais do Sodré
91 289 75 71

Luz Houses, um refúgio romântico

 Gostamos de celebrar as datas especiais e sempre que fazemos anos de namoro festejamos em grande. Ele levou-me a jantar fora, ao Marginalíssimo, e eu ofereci-lhe um fim-de-semana fora, na Luz Houses, a cinco minutos do Santuário de Fátima.
 Partimos sábado de manhã em direcção à Nazaré, onde passeámos até ao farol, admirámos as ondas grandes, observámos as nazarenas com as suas sete saias e comprámos recordações úteis: um poncho para mim e um casaco para ele, feitos pelas nazarenas. Fizemos um piquenique na praia e depois seguimos para Alcobaça, onde comemos a sobremesa: os deliciosos pastéis de nata da pastelaria Alcôa, com vista para o mosteiro.




 Quando o sol se começou a pôr fomos até ao nosso destino final: Luz Houses, um refúgio que recebe os hóspedes de coração aberto, com pessoas simpáticas e sorridentes e um chá. Enquanto tratavam do nosso check-in esperámos na sala de convívio da “Mãe Casa”, onde nos foi servido um tabuleiro com chá de frutos vermelhos e umas bolachinhas caseiras. Depois de tudo tratado fomos descobrir aquela aldeia, envolvida no meio de árvores e que nos faz logo desligar do corrupio da cidade. Além de uma ermida (dedicada à meditação) e de uma cisterna centenária, há também um abrigo de ovelhas, que são muito amigáveis e gostam de receber festinhas.





 Os diferentes quartos aglomeram-se em três blocos e são inspirados no passado. Nós ficámos nos que remontam a finais do século XIX, com alpendres de lajes, ora com dois blocos em triângulo a estreitar a entrada, ora uma laje embicada noutras duas, ladeadas por janelas minúsculas. Entrando no quarto a primeira coisa que se vê é a cama, que se encontra no centro, sendo necessário subir um degrau para a alcançar. Cada recanto emana luxo revestido de simplicidade, onde o rústico e o moderno se encaixam em harmonia, havendo um conforto que nos faz sentir em casa, através de pequenos pormenores, como as mantas deixadas no quarto, a mensagem de boas-vindas escrita pelos donos e os grandes robes deixados à disposição. Para mim, a única falha é a casa-de-banho ter duche em vez de banheira.




 Depois de nos instalarmos e descansarmos um bocado fomos à recepção pedir conselhos de sítios para irmos jantar e a rapariga foi tão prestável que não só nos indicou um restaurante, como também ligou para lá a confirmar que havia mesa e a marcar. Saímos logo e em minutos estávamos n’ OCrispim a deleitar-nos com uma deliciosa refeição. Ficámos impressionados porque comemos muitíssimo bem e o preço foi mesmo barato.
 Após uma noite bem dormida (o colchão era óptimo) tivemos direito a um super pequeno-almoço, provavelmente dos melhores que já comemos! Era tanta coisa à disposição que foi difícil escolher o que colocar no prato: quatro tipos de pão, compotas tradicionais, mel, três tipos de sumos naturais (escolhi o de manga), frutas variadas, granola, croissants e bolinhos caseiros, vários tipos de queijos e charcutaria (incluindo fiambre de peru), tomates cherry, cogumelos salteados e frutos secos. E além do que está à vista, ainda se pode pedir panquecas, batidos e ovos mexidos. Claro que nós pedimos tudo isso, mas infelizmente as panquecas vieram queimadas (uma delas estava preta e foi impossível comer). De resto achámos perfeito, não só graças à variedade como à qualidade. Já para não falar que mesmo sendo intolerante à lactose pude beber leite, pois têm leite de aveia.





Já de barriga cheia arrumámos as coisas, despedimo-nos das queridas ovelhas e saímos em direcção à Serra Mira d’Aire, visitar o Monumento Natural das Pegadas de Dinossáurio de Ourém. Depois de uma hora a caminhar e a ver pegadas seguimos para as Grutas de Mira d’Aire, que adorámos! Foram 11km de pura contemplação de um fenómeno da natureza que deixa qualquer um boquiaberto.



No final da visita tivemos de nos fazer à estrada e regressar a Lisboa, mas felizes com o fim-de-semana fantástico que tivemos.

19 janeiro 2017

Viver na Noite

 Gostamos muito de ir ao cinema, por isso tentamos fazê-lo uma vez por semana. Nesta altura, que se aproximam os Óscares, queríamos conseguir ver (quase) os filmes todos que estão nomeados, mas não sei se será possível. 
 A semana passada vimos o "Viver na Noite". Este drama, de duas horas, passa-se entre 1920 e 1933, na época da Lei Seca. Ben Affleck encarna a personagem principal, de um bandido que se tornou traficante de bebidas ilegais, sendo também o realizador e produtor do filme. 
 Apesar de não ser um filme espectacular, tem uma história interessante, que nos dá a entender como era o contrabando de bebidas álcoólicas e como funcionava a máfia que controlava esse negócio, vingativa e que perseguia os seus inimigos até à morte. O final é completamente inesperado e deixou-me boquiaberta. 




18 janeiro 2017

Passeios de fim-de-semana

 O primeiro mês do ano já vai a meio, os dias estão cada vez mais frios, mas nós não deixamos de fazer os nossos passeios de fim-de-semana. São essenciais para desligarmos completamente da semana de trabalho e arejar. Além disso os cães também precisam, pois durante a semana não há tempo para essas coisas.
 Gostamos de ir até Sintra, passear pelos caminhos da Aguda, deitarmo-nos na areia da Praia da Adraga, sentarmo-nos numa esplanada na Praia Grande, comer um pão com chouriço da Praia das Maçãs... 
 Quando ficamos em Lisboa também saímos de casa, vamos com o Campeão até ao parque dos cães no Campo Grande, almoçamos pastéis de massa tenra no Frutalmeidas (como tem esplanada podemos levar os cães), fazemos um passeio pelo nosso bairro até ao jardim Fernando Pessa, vamos até Belém...
 Tentamos manter esta "tradição" de fim-de-semana, passeando sempre pelo menos num dos dias, porque é preciso fazer essa pausa da rotina do dia-a-dia, que nos sabe tão bem.

16 janeiro 2017

O nosso dia

 Num abrir e fechar de olhos passaram-se quatro anos. Sempre ouvi dizer que quando se está feliz o tempo passa a voar e estou constantemente a verificar isso. Hoje é um desses dias, em que me apercebo que os últimos quatro anos, ao lado dele, foram maravilhosos e passaram muito rápido. Dezasseis de Janeiro é o nosso dia e hoje agradeço a forma como ele me faz sentir amada diariamente. Que venham muitos mais anos juntos!


08 janeiro 2017

Adoro a minha família

 Terminei as férias recebendo a minha família toda na nossa casa, com um lanchinho. Fiquei impressionada por constatar que conseguimos caber todos na sala, mas foi tão bom ter a casa cheia! 

06 janeiro 2017

Uma semana repleta de eventos

 A primeira semana de 2017 está a terminar e ao ver tudo o que consegui fazer (devido ao facto de estar de férias) apercebo-me de que já comecei a cumprir uma das minhas resoluções: passar mais tempo com a família e amigos.
 Comecei por celebrar um ano na nossa casinha com um jantar romântico feito por mim e no dia a seguir recebemos dois grandes amigos (um deles não o via há mais de 2 anos porque foi viver para a Austrália) com uma bela jantarada e muitas histórias para pôr em dia. Na quarta-feira foi a vez do meu padrinho ter o privilégio de comer uma refeição preparada pela sobrinha e conhecer a casa. Ontem fui jantar com a minha irmã e uma amiga nossa, que não víamos há mais de um ano e meio, depois ainda houve uma noite de jogos na nossa casa com três amigos. Hoje vamos ao cinema, amanhã temos um jantar de aniversário e no domingo encerro a semana recebendo a minha família materna (será que vão caber todos na sala?!) com um lanchinho. 


04 janeiro 2017

Tornar os dias de 2017 especiais

 Cada dia que passa contém 24 horas de oportunidades para sermos felizes, para criarmos memórias que nos alegrem quando as recordarmos, de alegrarmos os que estão à nossa volta, de fazermos história. Por isso este ano darei o meu melhor para tornar cada dia especial, digno de um sorriso, nem que seja devido a um pequeno momento. 


Resoluções de ano novo

 No meu aniversário a minha irmã deu-me uma super agenda do Mr. Wonderful e a primeira página de Janeiro diz "Esta não é a lista de compras nem uma lista qualquer, é uma enumeração de resoluções feita com muito entusiasmo e boas intenções, porque este ano vais conseguir que todos os teus objectivos (im)possíveis se tornem realidade".  
 Depois tem seis espaços para preencher: 
  1.  Vou conseguir...
  2.  Deste ano não passa... 
  3.  Nunca, jamais, em tempo algum...
  4.  Quero ser melhor em...
  5.  Vou tentar melhorar o meu pequeno defeito de...
  6.  Vou passar mais tempo com...

 E foi nessa folha que escrevi as minhas resoluções para 2017, entre elas está ler e escrever mais, melhorar os meus dotes de culinária, passar mais tempo com a família e amigos, e ser menos stressada E vocês definiram as vossas?